Jornal Resenhas News

MENU
Logo
Wednesday, 21 de February de 2024
Publicidade
Publicidade

Policial

Banqueiro falido morto em SP ficou famoso por mansão icônica milionária alvo de controvérsia; entenda

Atual proprietário de um dos imóveis mais suntuosos do Morumbi, em SP, tenta levantar condomínio de casas de luxo no local.

126
Publicidade
Publicidade
Imagem de capa
A-
A+
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Famoso pela mansão icônica e pela coleção de arte, que depois viria a integrar a massa falida do Banco Santos, do qual era controlador, o banqueiro Edemar Cid Ferreira ganhou fama nacional no início dos anos 2000. Em 2005, o banco teve a falência decretada. Ele morreu do coração, em casa, aos 80 anos.

No silêncio de uma das áreas mais nobres do Morumbi, está esquecida a luxuosa mansão que pertenceu a Edemar Cid Ferreira. Não só perdeu o glamour do passado como parece assombrada. A pintura desgastada e o mato que pende da sacada contrastam com a fachada suntuosa, desenhada com muitas curvas por Ruy Ohtake e cujo preço já foi estimado em R$ 78 milhões.

É uma verdadeira ode ao concreto paulistano que atiça a curiosidade de quem passa por ali e não tem ideia da fervura que o endereço guarda. O imóvel é objeto de disputa entre duas teses: após a falência do banco, o comprador que arrematou a propriedade, em 2020, num leilão por quase R$ 28 milhões — um terço do que foi a avaliação mais alta — queria fazer dali uma escola de alto padrão, que foi rechaçada pela vizinhança, e teve que ajustar os planos.

O empresário Janguiê Diniz pensou, então, em erguer um condomínio horizontal de luxo, o que revelou após polêmicas sobre o futuro que incluiria até a demolição da construção. Porém, negou que a tenha negociado com uma construtora. Por meio de nota para tentar desfazer os malfalados sobre suas pretensões, ele disse que nem vendeu o imóvel, nem tampouco o está demolindo.

Mas um outro empecilho surgiu no caminho — literalmente. A propriedade tem uma “minifloresta”, segundo a prefeitura, o que exige o cumprimento de regras específicas de manejo para uma eventual demolição.

Olhando de fora, um funcionário da prefeitura que trabalhava no asfalto, em junho do ano passado, resumiu o que os moradores da capital sabem sobre a construção:

— Está abandonada.

 

Passado de fartura

 

Mas não é bem assim. Os muros altos e os portões fechados guardam um passado de fartura e preservam as imagens da rotina de limpeza e manutenção da relíquia urbana. Muito do que havia lá dentro foi leiloado, como um acervo com obras e mobiliário de artistas e arquitetos como Victor Brecheret, Antonio Poteiro e Niemeyer. Entre outras coisas, o dossiê de um dos leilões citava até duas esculturas maias de pedra vulcânica da América Central Pré-Colombiana. Era preciso, afinal, fazer dinheiro para cobrir o rombo do banco de R$ 3,4 bilhões que deixou prejuízos aos clientes.

A resistência da vizinhança à transformação do local, por receio do fluxo de pessoas e do barulho de veículos, tem sido um grande obstáculo às propostas até então feitas. Procurada pela GLOBO em reportagem de junho passado, a associação de moradores não quis se pronunciar.

 

Gerador para uma cidade

 

Pelos relatos que se ouvia de quem entra e sai da propriedade de cinco andares, sabia-se que os 12 mil metros quadrados abrigam duas piscinas onduladas, muitos banheiros em mármore (seriam mais de 30), um pé-direito de quase nove metros, heliponto, duas bibliotecas e uma adega para cinco mil garrafas. Outro detalhe curioso é dispor de um gerador de energia tão potente que poderia iluminar uma cidade de 20 mil habitantes.

De todo o gigantesco patrimônio de Cid Ferreira, o que ficou no centro do imbróglio foi justamente o que não teve valor de mercado para ser passado nos cobres: as 200 árvores do terreno. O desenho paisagístico é de Burle Marx.

Diniz revelou ainda, através do mesmo comunicado, que contratou um escritório de arquitetura para “estudar, nos termos da legislação vigente, a viabilidade da instalação de um condomínio horizontal de casas de alto padrão”, pois o local se deteriora há 15 anos.

A Secretaria municipal de Urbanismo e Licenciamento (SMUL) de São Pauloindeferiu um pedido de intervenção no terreno por estar num “bairro-jardim”, qualificado como patrimônio ambiental por decreto. Já Diniz conclui dizendo que, após os estudos e a aprovação do município, “será dada ciência ao bairro e à sociedade” sobre o imóvel.

 

Fonte/Créditos: Globo

Créditos (Imagem de capa): Globo

Comentários:

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )